TNG é 3ª rede tradicional a pedir recuperação judicial

Em três semanas, Cavalera e Le Postiche recorreram ao expediente

A rede de moda TNG, do empresário Tito Bessa Jr, entrou com pedido de recuperação judicial na noite de sexta-feira em São Paulo. O pedido foi encaminhado à Justiça após tentativas de renegociação de dívidas de cerca de R$ 260 milhões – sendo mais da metade com bancos e shopping centers – que acabaram não avançando. A empresa já havia sentido a recessão de 2015 e 2016, mas o tombo das vendas após 2020 piorou os resultados.

Em apenas três semanas, Le Postiche, Cavalera e TNG pediram recuperação judicial. Desde o início da pandemia, é o maior volume de pedidos entre marcas tradicionais do varejo num prazo inferior a um mês.

Há sinais de que o gradual reaquecimento nas vendas em vestuário desde abril tem beneficiado especialmente cadeias líderes do setor, com acesso a caixa e maior escala, o que aumenta a consolidação nesse mercado. Outros varejistas não tiveram condições de atravessar novas restrições de atividades nessa segunda onda da covid.

“Do total de 400 dias [desde o início do fechamento das lojas com a pandemia] trabalhamos 200 dias. Como você trabalha assim? Impossível. Sabemos que precisamos de um, dois anos de fôlego, esse é o tempo que preciso. Seis meses só não deu para nos recuperarmos. É uma reconstrução, um recomeço”, diz Bessa Jr, da TNG.

“A recuperação judicial não dá certo quando você pede na hora errada, não é o nosso caso. Estamos pedindo com condições de sairmos dessa situação, buscando um tempo maior para renegociarmos as dívidas e focar no negócio só.”

A TNG foi fundada há 37 anos. Bessa Jr. se tornou controlador ao comprar a fatia do irmão no negócio, em 1999. Em 2019, a rede tinha pouco menos de 170 lojas, e fechou 60 desde o início da pandemia. Demitiu cerca de 600 pessoas, na tentativa de se equilibrar.

A varejista chegou a faturar anualmente R$ 400 milhões anos atrás. Em 2020, a receita somou cerca de R$ 150 milhões, com queda de 30% nas vendas das lojas com mais de um ano de operação, e iniciou 2021 com recuo de 25% a 30%.

O setor de moda foi um dos mais afetados pela pandemia, por conta da interrupção na operação e pelo consumo adiado, por não ser considerado essencial em tempos de crise.

Advogados têm afirmado que há vencimentos de dívidas contratadas pelas cadeias para enfrentar a crise de 2020, e sem a retomada econômica, pela lentidão na vacinação, as redes não têm conseguido arcar com os valores. Consultores de varejo também destacam problemas de gestão nas redes (na Cavalera, uma disputa societária afetou) e os anos de recessão anteriores como responsáveis pelas dificuldades.

A BRG Advogados presta assessoria em Direito Tributário, de forma clara e objetiva, ajudando a sua empresa a otimizar seus custos tributários e a tomar as melhores decisões para seu negócio.

Entre em contato e saiba mais informações.

Ligue: (11) 3242-0097.

Fonte: Valor

Open chat
Precisa de ajuda?